Cartas do Bispo


Porto Alegre, 18 de Junho de 2015

Exlmo. Vereador Mauro Pinheiro,
Presidente,
Ilustres Vereadoras e Vereadoras
da Câmara Municipal de Porto Alegre,
Graça e Paz:

Como Bispo Diocesano da Diocese Meridional da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, com sede na cidade de Porto Alegre RS, e sabendo dos debates que estão sendo levantados em relação ao Plano Municipal de Educação 2015-2025, em especial no que diz respeito à educação sobre questões de gênero e orientação sexual, venho a vossas excelências através desta carta manifestar minha opinião, como pastor deste ramos da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica de Cristo, como Doutor em Teologia e professor nesta área, e como Professor de Educação Física, formado em país de origem (Uruguai).

No Artigo 3º, item III, do referido projeto aparece como uma das metas, deixando claro que é em consonância com o Plano Nacional de Educação deverá se tratar da "superação das desigualdades educacionais, com ênfase na promoção da igualdade racial, regional, de gênero e de orientação sexual". Não vendo nisso nenhuma contradição com qualquer princípio cristão, mesmo que isso não deva, num Estado Laico, ser a preocupação principal. Pelo contrário, vejo aqui a busca da inclusão e dignificação da vida de uma significativa quantidade de pessoas que, freqüentemente discriminadas, abandonam o sistema educativo e são impedidas, ou até condenadas, a viver sem as mesmas oportunidades e possibilidades de outras pessoas da mesma sociedade. Tratar disso é a única forma de enfrentar o preconceito e isso deve ser feito, levando em consideração os critérios pedagógicos de cada faixa etária em seu desenvolvimento humano, desde os primeiros momentos, já que, como bem sabemos, um dos objetivos primordiais da educação básica é a socialização e cidadania.

A diversidade de gênero e orientação sexual - que parece ser o que está gerando mais polêmica entre representantes da fé cristã - é uma realidade, como tantas outras, que faz parte da vida natural de todas as pessoas humanas, que, como pessoas cristãs, consideramos criadas à imagem e semelhança de Deus (conforme Gênesis 1:26). É verdade que este mesmo texto, a seguir, indica que seriam "macho e fêmea" (literal do hebraico, zacar e nekváh), neste sentido, sem diferença com todas as outras espécies não hermafroditas, e que logo após é colocado o mandato "sede fecundos e multiplicai-vos" (Gênesis 1:27-28). Pois mesmo nas outras espécies acontece naturalmente o hermafroditismo, e as relações homossexuais. Apenas para citar como exemplo, entre as diversas pesquisas encontradas sobre este assunto, uma recentemente publicada de Paul L. Vasey e Volker Sommer, da Universidade de Cambridge, afirma que, mesmo entre animais, não devemos deixar de lado a idéia de que "sexo é sinônimo de reprodução" e que a observação de animais em seus ambientes naturais torna cada vez mais difícil considerar que as interações sexuais entre indivíduos do mesmo sexo como "idiossincrasia" ou "exceção" ou "patologia" (disponível na internet). Sendo assim, ainda o reconhecimento da diversidade de gênero e orientação sexual é, para mim, o reconhecimento da diversidade do amor criativo de Deus, que tudo fez através da Palavra Encarnada, centro e máxima revelação da fé que eu professo (conforme João 1:1 e 14). Mesmo que, como disse antes, não vejo por que um Plano Nacional ou Municipal de Educação deva se limitar a crivos religiosos, independentemente da opinião ou posicionamento que as diversas tradições religiosas venham adotar em relação a ele.

Sendo assim, emito esta opinião como forma de demonstrar a vossas senhorias a diversidade religiosa que existe, mesmo dentro de uma mesma tradição, neste caso a cristã, em relação a muitas questões que dizem respeito ao conhecimento, à dignidade e à cidadania das pessoas humanas. Espero, e desde já empenho minhas orações em vosso favor e de todas as pessoas envolvidas nos processos educativos em todos os níveis e formas, que considerem nossa humanidade comum ao decidirem sobre este projeto, e não permitam que opiniões fechadas à diversidade, ou unilaterais, prevaleçam diante da sagrada missão de zelar pelo bem comum de todas as pessoas humanas e cidadãs. Também nos colocamos a vossa inteira disposição para qualquer reflexão sobre este e outros temas de interesse comum onde, em vosso parecer, possamos contribuir para o bem comum, para dignidade humana e para a integridade do que acreditamos ser a criação divina.

Em Cristo Jesus, que proclamou como missão que desejamos imitar e continuar de: levar boas notícias para as pessoas pobres. curar aquelas quebrantadas de coração, pregar liberdade às cativas, restaurar a vista as que estão cegas (inclusive pelo preconceito e a discriminação), pôr em liberdade quem vive na opressão, e anunciar o ano aceitável do Senhor (Lucas 4:18,19),

+ Dom Humberto Maiztegui Gonçalves

CARTA SOBRE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E CELEBRAÇÃO DA UNIDADE DIOCESANA EM 2015

Estimado Clero e Delegações Leigas ao
123º Concílio da Diocese Meridional,
Graça e Paz da parte da Trindade Divina, uma só Divindade:
Já se passou mais de um mês desde o encerramento da 123ª Reunião Conciliar de nossa Diocese na Paróquia do Calvário em Nova Santa Rita, RS; ainda passamos pelo importante evento do lançamento do Novo Livro de Oração Comum que em breve estará ao alcance de todas as pessoas em nossas comunidades. Assim, escrevo esta carta, no sentido de motivar todas e todos para continuarmos, passo a passo, nos compromissos assumidos como Corpo Diocesano. O primeiro é o COMPROMISSO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM TODAS NOSSAS COMUNIDADES. No Concílio Diocesano, cujas atas enviamos em anexo, assumimos o compromisso de concluirmos este processo até 4 de Dezembro de 2015. Este compromisso compreende o seguinte processo: a) realizar avaliação do planejamento feito para 2015; b) realizar novo planejamento para 2016. Para isso foi criada uma página fechada no Facebook (https://www.facebook.com/groups/1437440903229479/?fref=ts) á qual só tem acesso o clero com funções reitor(a), pároco(a), ministro(a) encarregado(a), e poderão ser incluídas as pessoas leigas RESPONSÁVEIS PELO PLANEJAMENTO em cada comunidade (comunicando os nomes através do e-mail da diocese), assim como as que fazem parte da Comissão de Planejamento Pastoral e Missão (CPPM). Esta página tem como finalidade estabelecer contatos e comunicação direta durante o processo e é fechada para evitar que pessoas de fora entrem e encham a página dificultando esta comunicação. Já foi colocada ali uma orientação sobre o planejamento para 2016 elaborada pelo membro da CPPM, Sr. Paulo Bassotto em diálogo com a Sra. Alessandra da Cruz Borges que nos assessorou no último Concílio. Estas orientações também estão sendo enviadas em anexo com esta carta.

Estamos, em conjunto com a CPPM, estabelecendo um PRAZO DE COMUNICAÇÃO INICIAL, isto é, um MOMENTO EM QUE AS COMUNIDADES DEVEM INFORMAR COMO IRÃO FAZER O PLANEJAMENTO E, SE FOR O CASO, PEDIR APOIO DIOCESANO NESTE SENTIDO. Este prazo é de 31 de Agosto de 2015. Quer dizer que até esta data devem informar, na página do Facebook, COMO SERÁ FEITO O PLANEJAMENTO EM CADA COMUNIDADE! Assim todas e todos saberemos como vá indo o processo e nos estimularemos mutuamente. Isto também EXIGE QUE CADA PESSOA DO CLERO, OU ALGUMA DAS PESSOAS RESPONSÁVEIS, SE COMUNIQUE ATRAVÉS DO FACEBOOK.

No dia 26 de Julho, 9º Domingo depois de Pentecostes, estaremos realizando nossa CELEBRAÇÃO DA UNIDADE DIOCESANA, na Catedral Nacional da Santíssima Trindade. Após avaliação feita pelo Clero e CPPM, e devido a baixa assistência em ocasiões anteriores, se resolveu realizar esta celebração pela manhã, as 10hs, pelo que, como Bispo Diocesano, estou determinado que não haja Santa Eucaristia em nenhuma comunidade que celebre no Domingo pela manhã, podendo haver sim Oração Matutina. Será também entregue, nesta celebração, o BANNER, da MISSÃO E VISÃO DIOCESANAS, para ser enviado e recebido, dentro da liturgia, desde a procissão inicial ou no OFERTÓRIO, em todas nossas comunidades a partir do primeiro Domingo de Agosto. Sendo que estarei fazendo isso pessoalmente durante minha visita à Paróquia da Páscoa em Praia Grande SC. Esta celebração também dará posse as novas diretorias da UJAB e UMEAB em nível diocesano e encerrará a CAMPANHA DE APOIO AO ENCONTRO NACIONAL DA JUVENTUDE, iniciada no Concílio.

Como podem observar, no rodapé desta carta figura o LEMA e VERSÍCULO deste Concílio, o que pedimos também seja feito, sempre que possível, em papel timbrado e/ou boletins de todas nossas comunidades.

Queridas irmãs e irmãos em Cristo, vamos dar um chance ao Senhor Jesus Cristo, como Palavra Viva, presente onde há duas ou três pessoas reunidas em Seu Nome, para nos guiar desde cada comunidade, e como Diocese. Que este processo de planejamento, avaliação e monitoramento, pela ação do Santo Espírito, força do Amor Divino, anime cada pessoa do Clero e Laicato em nossas comunidades e em todas as instâncias diocesanas, para que, junto comigo como Bispo Diocesano, possamos realizar as boas obras que para nós foram preparadas, no grande plano de salvação, para o qual é chamada cada pessoa, cada família, cada comunidade, e toda a Igreja em todos os níveis e expressões, denominacionalmente, ecumenicamente, e em diálogo com todas as religiões e pessoas de boa vontade! Na Paz de Cristo que ultrapassa todo entendimento,

Dom Humberto Maiztegui Gonçalves
Bispo Diocesano